19 de maio de 2009

Crianças trabalham mais horas do que os adultos

Trabalham na escola tantas horas como um adulto e ainda levam trabalho para casa. Uma sobrecarga que deixa preocupados especialistas e encarregados de educação.

Para esta especialista, depois de trabalharem as cinco horas obrigatórias curriculares na escola, as crianças deveriam apenas brincar.

Uma criança pequena trabalha diariamente na escola tantas horas como um adulto e ainda leva trabalho para casa, um excesso que preocupa especialistas e deixa angustiados muitos encarregados de educação, que pedem que em casa os deixem ser apenas pais.

Quando fez a sua tese de mestrado, a investigadora Maria José Araújo, do Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE) da Universidade do Porto, concluiu que uma criança pequena em idade escolar trabalha em média nove horas por dia, "o exacto equivalente ao trabalho profissional de vida de um adulto".

"Essas nove horas são sempre em função da matéria escolar. E mais: há pessoas que, quando eles têm um comportamento menos próprio, ainda os castigam com contas e cópias e fazer isto é o mesmo que dizer-lhes que o conhecimento é uma chatice", considerou.

Para esta especialista, depois de trabalharem as cinco horas obrigatórias curriculares na escola, as crianças deveriam apenas brincar, que "é paras elas também uma forma de adquirirem conhecimento".

"Os adultos trabalham sete horas e meia e chegam ao fim cansados. Levam trabalho para casa? Não levam!", afirmou, destacando que "há mais de 20 anos que se denuncia este excesso de trabalho e os consequentes malefícios físicos, psicológicos e morais para as crianças".

Os Trabalhos Para Casa (TPC) de Catarina, sete anos, mudaram a vida de Vanda que deixou de ter actividades com os dois filhos e amigos após o trabalho, para chegar a casa o mais rapidamente possível para a criança, diariamente, "escrever por extenso 30 números, duas ou três cópias, escrever três vezes uma determinada tabuada e ainda duas frases do dia, por exemplo".

"Era um exagero. Entrava na escola às 9h00, chegava a casa às 18h00 e ainda ficava uma hora, uma hora e meia a fazer trabalhos. 's vezes eram dez da noite e a miúda a fazer trabalhos", contou.

Há dois meses, depois de perceber que não conseguia sensibilizar a professora, Vanda avisou que Catarina só faria os deveres que a mãe considerasse que ela deveria fazer.

No entanto, esta decisão não deixa confortável nem mãe nem filha: "Não tenho tido tanto stress, mas também não devia ser um papel meu justificar todos os dias para a escola por que é que a minha filha não fez isto ou aquilo. Por outro lado, como ela é boa aluna e muito perfeccionista, o facto de não fazer tudo o que a professora manda deixa-a angustiada".

Este ano, Mariana quase não tem trabalhos, mas a mãe recorda que no ano passado a menina estava quase nove horas entre a escola e o ATL e depois ainda gastava em casa cerca de três horas nos TPC.

"Às vezes ela já chorava e eu estava num stress tremendo", contou a mãe, salientando que este ano "é melhor, mas também está a ser mais difícil acompanhar o que ela estuda".

Álvaro Almeida Santos, presidente do Conselho das Escolas, afirma que não há nenhuma indicação expressa sobre os TPC, mas existe a "orientação tácita de que o trabalho que tenha a ver com a escola deva ser feito na escola".

Também Albino Almeida, da Confederação Nacional de Pais (Confap) destaca que "as escolas devem organizar-se de maneira a que os alunos possam realizar os trabalhos que tenham a ver com consolidação de conhecimentos, nomeadamente com o treino em matemática, cálculo e outras matérias, nas aulas de estudo acompanhado".

"As famílias não têm de fazer trabalho que compete à escola", defende, realçando que em muitos casos os TPC são mesmo Trabalho Para Casa, "porque quem executa os trabalhos são os avós e os pais ou irmãos mais velhos", o que pode representar um grande factor de desigualdade.

"Muitas das vezes os TPC exigem que os pais quase dêem aulas em casa, mas os professores não podem esquecer que temos um conjunto de pais de famílias que têm muito baixas qualificações escolares e, portanto, não têm competência para ajudar", disse, acrescentando que "como em muitos casos os TPC contam para avaliação, isto faz aumentar o fosso entre os alunos".

Fonte: Lusa - Veja a notícia completa aqui

1 comentário:

Rute disse...

Eu subscrevo o artigo. Tenho 3 lugares na plateia :
-mãe
-professora de AEC's
-proprietária de um espaço de diversão infantil

Estou a reunir declarações de psicologos e a fazer apelos à Camâra Municipal (no meu caso Marinha Grande e Leiria) para incluir o Parque de Diversão (Indoor) como AEC. Faz tanto sentido como a piscina ou a musica.

As crianças necessitam de brincar para adquirir competências básicas que lhes permitem estar na Escola.

Apelo aqui aos Pais porque sem eles esta será sempre uma luta perdida.

Eu própria dou comigo em duvida muitas vezes pois temos entranhado em nós esta consciência de que só é importante o material didático que nos apoie na promissora carreira bem remunerada dos nossos filhos quando na verdade nós só queremos que eles sejam felizes, que se aceitem, que tenham autoestima - é a brincar que eles solidificam esta componente - é a brincar ...

Obrigada